Como fazer o teste para a doença de Parkinson?

A doença de Parkinson é uma das causas mais comuns
A doença de Parkinson é uma das causas mais comuns e os tremores costumam ser o primeiro sinal da doença.

A doença de Parkinson (DP) é uma doença neurodegenerativa progressiva que afeta as habilidades motoras e não motoras. Afeta 1% das pessoas com mais de 60 anos. É um distúrbio progressivo do sistema nervoso central. A DP é causada pela falta de dopamina, uma substância química que ajuda as partes do cérebro responsáveis pela função motora (ou movimento corporal) a se comunicarem. Essa condição costuma causar tremores, rigidez muscular, lentidão e falta de equilíbrio. Se você suspeita que você ou alguém que você ama tem Parkinson, é importante saber como você pode diagnosticar essa condição. Comece tentando identificar os sintomas da doença em casa e, a seguir, consulte seu médico para obter um diagnóstico médico adequado.

Parte 1 de 3: reconhecendo os sintomas da doença de Parkinson

  1. 1
    Observe se há tremores em suas mãos e / ou dedos. Uma das primeiras queixas apresentadas aos médicos por muitas pessoas posteriormente diagnosticadas com doença de Parkinson é um tremor involuntário ou tremor das mãos, dedos, braços, pernas, mandíbula e rosto. É mais provável que você perceba esse tremor quando suas mãos estão em repouso, em vez de quando você as está usando, embora possa ver mais tremores enquanto suas mãos e braços estão em uso, à medida que a doença progride.
    • Existem muitas causas para os tremores. A doença de Parkinson é uma das causas mais comuns e os tremores costumam ser o primeiro sinal da doença.
    • O tremor e outros sintomas podem aparecer inicialmente apenas em um lado do corpo ou podem aparecer piores em um lado do que no outro.
    • Um movimento repetitivo de "rolar a pílula" entre o polegar e o dedo - denominado porque parece que a pessoa está rolando uma pílula entre os dedos - é característico do tremor parkinsoniano.
  2. 2
    Verifique se há movimentos lentos ou distorcidos. Alguns sintomas de Parkinson são causados pelo sintoma maior de movimentos lentos (também conhecido como bradicinesia). Isso afeta principalmente as funções motoras, desde andar e equilíbrio até a escrita e até mesmo as funções motoras que costumam ser consideradas reflexas ou espontâneas.
    • Esses movimentos lentos são um sinal inicial muito comum de Parkinson e podem aparecer no início da doença em 80% dos pacientes.
    • Algumas pessoas podem ter dificuldade em descrever o que estão sentindo e usam palavras como "fraqueza", "cansaço" ou "incoordenação" ao falar sobre esses sintomas.
    • Procure distorções nos movimentos voluntários. Além dos movimentos involuntários, as pessoas com Parkinson podem experimentar distúrbios em seus movimentos voluntários além da lentidão. Alguns dos tratamentos usados para a doença de Parkinson podem causar movimentos involuntários anormais ou um aumento no movimento, conhecido como discinesia. Essas distorções (discinesias) podem ser semelhantes a um "tique" na aparência e piorar com o estresse psicológico.
    • A discinesia avançada é mais freqüentemente observada em pacientes que estão tomando a medicação Levodopa há algum tempo.
  3. 3
    Esteja atento para um andar arrastado. Um sintoma comum do Parkinson é uma marcha arrastada com passos curtos e uma tendência a inclinar-se para a frente. As pessoas com Parkinson geralmente têm dificuldade de equilíbrio e às vezes há uma tendência a cair para a frente, fazendo com que a pessoa ande cada vez mais rápido para não cair. Esse padrão é chamado de "marcha festinante" e é muito comum na doença de Parkinson.
    • Esse sintoma geralmente aparece nas fases posteriores da doença.
  4. 4
    Examine sua postura. Pessoas com doença de Parkinson geralmente inclinam-se para a frente na altura da cintura quando estão de pé ou caminhando. Isso ocorre porque o Parkinson pode causar problemas de postura e equilíbrio, incluindo rigidez. Há uma tendência de flexionar os braços e a cabeça de modo que a pessoa pareça curvada com os cotovelos flexionados e a cabeça para baixo.
    • A rigidez pode afetar todo o corpo e você pode sentir-se rígido ou dolorido.
    • Verifique a rigidez postural. Também conhecido como "roda dentada", esse sintoma se apresenta como um movimento rígido característico quando um examinador move o braço de um paciente por meio de movimentos básicos de flexão e extensão. A rigidez e resistência ao movimento são mais óbvias com o movimento passivo dos pulsos e cotovelo.
    • A roda dentada pode acontecer quando o tônus muscular aumentado relacionado à rigidez é combinado com um tremor.
  5. 5
    Examine se há comprometimento cognitivo. Algum comprometimento cognitivo é comum, mas geralmente não antes do final do curso da doença.
  6. 6
    Verifique se há distúrbios da fala. Cerca de 90% das pessoas com DP apresentarão sinais de distúrbios da fala em algum momento. Estes podem apresentar-se como fala mais baixa, qualidades ofegantes ou roucas para a voz e precisão reduzida com a linguagem.
    • A voz geralmente se torna suave ou sussurrante porque os músculos vocais não têm mobilidade.
  7. 7
    Fique atento a sinais de depressão ou ansiedade. Até 60% das pessoas com DP podem apresentar sinais de ansiedade ou depressão. A DP afeta algumas das partes do cérebro que estabilizam o humor, o que leva a essa chance aumentada de depressão, especialmente associada à qualidade de vida dos pacientes em estágios avançados da doença.
  8. 8
    Verifique se há problemas gastrointestinais. Os músculos usados para empurrar os alimentos através do sistema digestivo também são afetados pela DP. Isso pode levar a uma variedade de problemas gastrointestinais, desde incontinência até prisão de ventre.
    • Esses mesmos sintomas costumam se manifestar junto com a dificuldade de engolir alimentos.
  9. 9
    Observe se há dificuldade para dormir. Muitos dos movimentos involuntários associados ao Parkinson tornam cada vez mais difícil para aqueles com a doença dormir uma noite inteira. Outros sintomas - como rigidez muscular tornando difícil rolar à noite ou problemas na bexiga que levam a levantar-se à noite para urinar com frequência - agravam as perturbações do sono experimentadas por pessoas com DP.
Reconhecendo os sintomas da doença de Parkinson
Parte 1 de 3: reconhecendo os sintomas da doença de Parkinson.

Parte 2 de 3: teste para doença de Parkinson

  1. 1
    Teste os sintomas em casa. Embora os sintomas por si só não possam fornecer um diagnóstico preciso, você pode testar os sintomas em outras partes deste artigo para fornecer ao seu médico um caso completo dos seus sintomas. A primeira coisa que seu médico faria se você perguntasse sobre a DP é realizar um exame físico, e você pode procurar alguns dos mesmos sinais que procurariam.
    • Coloque a mão no colo e observe se há tremor. Ao contrário da maioria das outras formas de tremor, o tremor associado ao Parkinson é pior quando você está em repouso.
    • Observe sua postura. A maioria das pessoas com Parkinson geralmente fica ligeiramente inclinada para a frente, com a cabeça baixa e os cotovelos flexionados.
  2. 2
    Consulte seu médico. Em última análise, o diagnóstico só pode vir do seu médico. Marque uma consulta e conte-lhes seu histórico de caso e preocupações. Se o seu médico achar que a DP está entre as causas potenciais, provavelmente farão alguns testes para ajudar a determinar o diagnóstico.
    • Observe que a doença de Parkinson não é difícil de diagnosticar, exceto nos estágios iniciais. Não existe um teste único que seu médico irá realizar. Em vez disso, o médico pode fazer outros testes para eliminar outras condições que causam sintomas semelhantes aos do Parkinson (como derrame, hidrocefalia ou tremor essencial benigno). A condição que mais frequentemente imita a DP é o tremor essencial, que geralmente ocorre em famílias e é mais acentuado com as mãos estendidas.
    • Seu médico também pode encaminhá-lo a um neurologista, que é um médico especialista em doenças do sistema nervoso.
  3. 3
    Faça um exame físico. A primeira coisa que seu médico fará é fazer um exame físico em busca de uma variedade de indicadores diferentes:
    • Sua expressão é animada?
    • Você mostra sinais de tremor com os braços em repouso?
    • Você exibe rigidez no pescoço ou nos membros?
    • Com que facilidade você consegue se levantar da posição sentada?
    • Você tem uma marcha normal e seus braços balançam simetricamente enquanto você anda?
    • Quando recebe um pequeno empurrão, você consegue retomar o equilíbrio rapidamente?
  4. 4
    Aceite outros testes, se necessário. Os exames de imagem, como ressonância magnética, ultrassom, SPECT e PET, geralmente não são muito úteis no diagnóstico de Parkinson. No entanto, em alguns casos, seu médico pode recomendar um desses testes para ajudá-los a distinguir entre o mal de Parkinson e doenças que apresentam sintomas semelhantes. Devido aos custos dessas varreduras, à natureza invasiva dos procedimentos e à evidente falta de disponibilidade das máquinas, é improvável que seu médico recomende essas varreduras como uma ferramenta de diagnóstico na maioria dos casos.
    • Uma ressonância magnética pode ajudar seu médico a distinguir entre DP e condições que apresentam sintomas semelhantes, como paralisia supranuclear progressiva e atrofia multissistêmica.
  5. 5
    Meça sua resposta ao tratamento. O tratamento envolve o aumento do efeito da dopamina (o neurotransmissor afetado pela DP) no cérebro. O tratamento pode consistir na administração de levodopa, o medicamento mais comumente prescrito e mais eficaz para DP, por conta própria (geralmente como uma combinação de levodopa / carbidopa). Em alguns casos, o médico também pode prescrever um agonista da dopamina, como o pramipexol, que estimula os receptores da dopamina.
    • Se os seus sintomas estão avançados o suficiente para justificar o uso de medicação, seu médico pode prescrever-lhe para ver se restringe algum dos sintomas que você experimenta. As doenças que mimetizam a DP tendem a responder menos ao tratamento do que a DP. Uma boa resposta à medicação torna a DP mais provável.
Comece tentando identificar os sintomas da doença em casa e
Comece tentando identificar os sintomas da doença em casa e, a seguir, consulte seu médico para obter um diagnóstico médico adequado.

Parte 3 de 3: tratamento da doença de Parkinson

  1. 1
    Experimente medicamentos. Infelizmente, ainda não há cura para a doença de Parkinson. No entanto, uma grande variedade de medicamentos está disponível para tratar diferentes sintomas. Alguns dos medicamentos para o tratamento da DP incluem:
    • Levodopa / Carbidopa (Sinemet, Parcopa, Stalevo, etc.), que trata os vários sintomas motores vistos na DP inicial e avançada
    • Agonistas da dopamina (Apokyn, Parlodel, Neupro, etc.), que estimulam os receptores de dopamina para enganar o cérebro fazendo-o acreditar que está recebendo dopamina
    • Anticolinérgicos (Artane, Cogentin, etc.), que são usados principalmente para ajudar a tratar tremores
    • Inibidores da MAO-B (Eldepryl, Carbex, Zelapar, etc.), que ajudam a aumentar os efeitos da levodopa
    • Inibidores da COMT (Comtan, Tasmar), que bloqueiam o metabolismo da levodopa no corpo, prolongando os efeitos
  2. 2
    Exercícios para retardar a progressão da doença. Embora o exercício não seja de forma alguma uma solução permanente para os efeitos da DP, ele demonstrou reduzir a rigidez e melhorar a mobilidade, a marcha, a postura e o equilíbrio. Os exercícios aeróbicos que requerem boa biomecânica, postura, rotação e movimentos rítmicos têm se mostrado especialmente benéficos. Os tipos de exercícios que podem ajudar incluem:
    • Dançando
    • Ioga
    • Tai chi
    • Voleibol e tênis
    • Aulas de aeróbica
    • O boxe, que é ótimo para melhorar a estabilidade e a coordenação
  3. 3
    Consulte um fisioterapeuta. Para encontrar o melhor regime de condicionamento físico com base em sua progressão específica de DP, consulte um fisioterapeuta. Um fisioterapeuta pode adaptar uma rotina para direcionar as áreas onde você começou a sentir rigidez ou diminuição da mobilidade.
    • Você também deve consultar seu fisioterapeuta para uma reavaliação periódica de sua rotina, tanto para garantir a eficácia máxima do regime quanto para acompanhar a progressão da doença.
  4. 4
    Pergunte sobre as opções cirúrgicas para o tratamento da DP. A estimulação cerebral profunda (DBS) é um procedimento cirúrgico que revolucionou o tratamento da DP em seus estágios posteriores. O procedimento envolve o implante de eletrodos na região alvo do cérebro, que são então conectados a um gerador de impulso inserido abaixo da clavícula. O paciente recebe então um controlador para ligar ou desligar o dispositivo nos momentos necessários.
    • Os efeitos do DBS são geralmente dramáticos e os médicos podem recomendar essa via para aqueles que apresentam tremores incapacitantes, aqueles com efeitos colaterais adversos aos medicamentos ou se os medicamentos começarem a perder sua eficácia.
Alguns dos tratamentos usados para a doença de Parkinson podem causar movimentos involuntários anormais
Alguns dos tratamentos usados para a doença de Parkinson podem causar movimentos involuntários anormais ou um aumento no movimento, conhecido como discinesia.

Pontas

  • Embora este artigo forneça informações relacionadas à doença de Parkinson, ele não oferece aconselhamento médico. Você deve sempre consultar seu médico se achar que está apresentando sintomas relacionados à DP.
  • O reconhecimento do Parkinson é geralmente mais direto do que com outras doenças progressivas e degenerativas, e a doença pode ser detectada e tratada com eficácia nos estágios iniciais.
  • A medicação e a busca por um estilo de vida saudável podem ajudar muito a atenuar os efeitos da DP em sua rotina e tarefas diárias.
  • Compreenda que esse diagnóstico é apenas algo que um médico pode fornecer. Você pode ter suspeitas e até ter certeza de que tem o distúrbio, mas ainda assim ele precisa ser diagnosticado por um médico.

Perguntas e respostas

Perguntas não respondidas
  • Qual é o tratamento para a doença de Parkinson atípica induzida por drogas?

Isenção de responsabilidade médica O conteúdo deste artigo não pretende ser um substituto para aconselhamento, exame, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Deve sempre contactar o seu médico ou outro profissional de saúde qualificado antes de iniciar, alterar ou interromper qualquer tipo de tratamento de saúde.
Este site usa cookies para analisar o tráfego e para personalização de anúncios. Ao continuar a navegar neste site, você indica que aceita o uso de cookies. Para mais informações visite nossa Política de Privacidade.
FacebookTwitterInstagramPinterestLinkedInGoogle+YoutubeRedditDribbbleBehanceGithubCodePenWhatsappEmail