Como detectar sintomas de choque distributivo?

Para detectar o choque distributivo
Para detectar o choque distributivo, você precisará conhecer os sinais e sintomas gerais de choque a serem observados.

O choque distributivo é quando uma anormalidade dos pequenos vasos sanguíneos leva a uma distribuição inadequada do sangue por todo o corpo. Isso pode causar sinais de choque com risco de vida e uma distribuição prejudicada de oxigênio para os órgãos vitais do corpo. Para detectar o choque distributivo, você precisará conhecer os sinais e sintomas gerais de choque a serem observados. Você também precisará saber o que, especificamente, pode causar choque distributivo (em oposição a outras formas de choque). Determinar a causa subjacente do choque distributivo é a chave para administrá-lo com eficácia e para ter as melhores chances de salvar a vida da pessoa. Se você está preocupado com o fato de você ou outra pessoa estar mostrando sinais de choque distributivo, vá para o pronto-socorro imediatamente.

Parte 1 de 3: avaliação dos sintomas

  1. 1
    Verifique se há uma freqüência cardíaca elevada. Todos os tipos de choque, incluindo choque distributivo, geralmente se apresentam com frequência cardíaca mais rápida do que o normal (mais de 100 batimentos por minuto). Você pode medir o pulso de uma pessoa ou ouvir o coração com um estetoscópio para determinar a frequência cardíaca.
    • No choque distributivo, quando você sente o pulso nas extremidades da pessoa (pulsos e / ou tornozelos), é provável que sinta um "pulso acelerado".
    • Um pulso limitado é um pulso mais forte e forte do que o normal.
    • É devido ao aumento do volume total de sangue no choque distributivo, dos efeitos vasodilatadores que ocorrem na sepse ou anafilaxia (entre outras coisas).
    • O pulso limitado pode ser sentido precocemente, mas conforme o choque progride, o pulso se tornará fraco ou ausente nas extremidades.
  2. 2
    Observe um aumento da frequência respiratória. Além de uma frequência cardíaca elevada, todos os tipos de choque também costumam se manifestar com respiração rápida. Isso ocorre porque o problema fundamental do choque é a falta de fornecimento de oxigênio aos órgãos vitais do corpo. Portanto, o corpo tenta compensar a falta de oxigênio respirando mais rapidamente.
    • Mais de 20 respirações por minuto é considerada uma frequência respiratória elevada.
  3. 3
    Sinta as extremidades quentes. Especificamente no choque distributivo (que inclui choque séptico), as extremidades de uma pessoa (mãos e pés) geralmente ficam mais quentes do que o normal. Isso ocorre porque o choque distributivo, talvez de forma não intuitiva, se apresenta com mais sangue do que o normal no sistema circulatório; no entanto, o sangue é "distribuído" inadequadamente por todo o corpo, levando a uma circulação inadequada aos órgãos vitais e a um fluxo excessivo de sangue nas extremidades e em áreas do corpo que não precisam dele.
    Pode causar choque distributivo (em oposição a outras formas de choque)
    Você também precisará saber o que, especificamente, pode causar choque distributivo (em oposição a outras formas de choque).
  4. 4
    Observe a diminuição da micção. Em estado de choque, como o corpo percebe uma falta de fluxo sanguíneo e oxigenação eficazes, ele tentará conservar os líquidos. Como resultado, a produção de urina diminuirá, levando à micção infrequente.
  5. 5
    Avalie se há febre. Como a infecção ("sepse") é a causa número um do choque distributivo, é importante testar a presença de febre. Uma temperatura superior a 38°C (100, -16°C) pode ser indicativa de uma infecção.
    • Uma temperatura inferior a 36°C (96, -13°C) também é preocupante, pois às vezes o corpo pode apresentar temperatura reduzida em vez de febre.
  6. 6
    Procure sinais de confusão. O choque geralmente se apresenta com confusão e, frequentemente, com diminuição do nível de consciência. Isso se deve à diminuição da eficácia do fluxo sanguíneo e da oxigenação em todo o corpo. Em casos mais graves, a pessoa pode até estar inconsciente.
  7. 7
    Meça a pressão arterial. No choque, a pressão arterial está mais baixa do que o normal. É tipicamente abaixo de 90 mm Hg sistólica e pode até ser indetectável. No choque distributivo, embora mais sangue do que o normal seja desviado para as extremidades (braços e pernas), os vasos sanguíneos dilataram e, como tal, a leitura da pressão arterial ainda tende a ser baixa.

Parte 2 de 3: avaliação do histórico médico do paciente

  1. 1
    Observe uma infecção anterior ao início do choque. O principal motivo para alguém entrar em choque distributivo é devido a uma infecção que piora e se espalha para a corrente sanguínea (chamada de "sepse"). Portanto, se você está tentando reconhecer o choque distributivo, pergunte e avalie se há infecções recentes ou atuais.
    • As infecções mais comuns que podem levar ao choque incluem pneumonias, infecções geniturinárias e infecções abdominais.
    Se houver suspeita de infecção ("choque séptico") como causa do choque distributivo
    Se houver suspeita de infecção ("choque séptico") como causa do choque distributivo, também podem ser feitas hemoculturas.
  2. 2
    Considere a possibilidade de anafilaxia. Outra razão para alguém entrar em choque distributivo é devido à anafilaxia - uma reação alérgica sistêmica, que pode ocorrer em resposta a uma picada de abelha ou outra alergia. As pessoas geralmente carregam uma "epipen" (caneta de epinefrina) se foram diagnosticadas com alergias que podem levar à anafilaxia e / ou choque distributivo. Pergunte se houve exposição a um alérgeno desencadeador antes do início do choque.
  3. 3
    Avalie outras causas comuns de choque distributivo. Outras causas comuns de choque distributivo incluem "SIRS" (síndrome da resposta inflamatória sistêmica), pancreatite, problemas renais (chamados de "crise Addisoniana"), queimaduras, síndrome do choque tóxico (mais comum em mulheres menstruadas que também deixaram um tampão dentro longo) e "choque neurogênico" (um subtipo de choque distributivo causado por uma lesão na medula espinhal que resulta em diminuição do tônus dos vasos sanguíneos).

Parte 3 de 3: realização de testes de diagnóstico

  1. 1
    Teste para acidose láctica. Um teste de sangue para lactato pode indicar a presença de acidose láctica. A acidose láctica é uma indicação de que os órgãos vitais do corpo não estão recebendo fluxo sanguíneo e oxigênio suficientes, o que, se não resolvido, pode levar à falência de vários órgãos.
    • O grau de acidose láctica, portanto, é uma forma de medir a gravidade dos sintomas de choque.
  2. 2
    Avalie a contagem de glóbulos brancos. Medir os glóbulos brancos por meio de um exame de sangue também é muito útil para avaliar a presença de uma infecção, que é a principal causa do choque distributivo. Os glóbulos brancos também podem estar elevados em outras condições inflamatórias que podem estar subjacentes ao choque distributivo.
    • Se houver suspeita de infecção ("choque séptico") como causa do choque distributivo, também podem ser feitas hemoculturas.
    • Uma hemocultura pode desenvolver a bactéria ou outro micróbio que está causando a infecção, permitindo que os médicos escolham um antibiótico apropriado (ou outro agente antimicrobiano, dependendo da causa da infecção) para o tratamento.
  3. 3
    Avalie a função de órgãos vitais. Como a consequência do choque que se tenta evitar é a falência de órgãos vitais, é fundamental avaliar a função dos órgãos vitais. Órgãos a serem testados incluem:
    • Função renal
    • Função do fígado
    • Função cardíaca
    • Função do pâncreas, já que a pancreatite pode realmente ser uma causa de choque distributivo
    Especificamente no choque distributivo (que inclui choque séptico)
    Especificamente no choque distributivo (que inclui choque séptico), as extremidades de uma pessoa (mãos e pés) geralmente ficam mais quentes do que o normal.
  4. 4
    Opte por outros testes de diagnóstico conforme necessário para determinar a causa subjacente. Se houver suspeita ou diagnóstico clínico de choque distributivo (ou qualquer outra forma de choque), é fundamental identificar a causa subjacente para que possa ser resolvido. Testes diagnósticos adicionais que podem ser úteis incluem uma radiografia de tórax e / ou uma tomografia computadorizada, entre outros.
    • Outros exames serão solicitados dependendo da etiologia suspeita, por exemplo, se houver suspeita de pneumonia, uma cultura de escarro e coloração de Gram também podem ser solicitadas.
  5. 5
    Comece o tratamento. Se o choque for confirmado, o paciente deve ser tratado na unidade de terapia intensiva (UTI) de um hospital. A causa subjacente deve ser tratada enquanto o paciente é estabilizado com oxigênio. Os sinais vitais e a ingestão e saída de líquidos devem ser medidos de hora em hora.
Isenção de responsabilidade médica O conteúdo deste artigo não pretende ser um substituto para aconselhamento, exame, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Deve sempre contactar o seu médico ou outro profissional de saúde qualificado antes de iniciar, alterar ou interromper qualquer tipo de tratamento de saúde.
Artigos relacionados
  1. Como reduzir os glóbulos brancos?
  2. Como reconhecer os sintomas da doença falciforme (DF)?
  3. Como diminuir o colesterol naturalmente?
  4. Como fazer um pulso apical?
  5. Como calcular o colesterol total?
  6. Como saber se você está tendo um derrame?
FacebookTwitterInstagramPinterestLinkedInGoogle+YoutubeRedditDribbbleBehanceGithubCodePenWhatsappEmail