Como proteger os direitos das crianças com deficiência?

Se você deseja proteger os direitos das crianças com deficiência
Se você deseja proteger os direitos das crianças com deficiência, precisa se manter informado sobre as mudanças no cenário social e político.

Se você está perto de uma criança com necessidades especiais, sem dúvida quer protegê-la e defender seus direitos quando puder. No entanto, muitas pessoas não têm certeza de como podem fazer isso da melhor maneira sem causar mais danos do que benefícios. Obter informações confiáveis sobre os desafios que as crianças com deficiência enfrentam e as leis que as protegem é um bom primeiro passo. Além disso, se você deseja proteger os direitos das crianças com deficiência, esteja preparado para compartilhar seu conhecimento com outras pessoas e aumentar a conscientização das pessoas com deficiência e da comunidade com deficiência.

Método 1 de 3: defesa de uma criança individual

  1. 1
    Reúna informações sobre a criança e suas necessidades. Não existem duas crianças deficientes iguais, mesmo que tenham a mesma deficiência. Além disso, muitas crianças com deficiência têm mais de uma deficiência ou condição. As necessidades de cada criança com deficiência também são moldadas por suas próprias habilidades, interesses e preferências.
    • Você pode ler livros sobre a doença da criança ou acessar artigos e outras informações na Internet. Sempre verifique os antecedentes e a reputação do autor de qualquer material que você leia. Você obterá informações mais confiáveis de pessoas e organizações que não estão tentando lhe vender algo e não têm segundas intenções.
  2. 2
    Eduque-se sobre os direitos legais das crianças com deficiência em seu país. A maioria dos países tem leis que protegem as crianças com deficiência e especificamente lhes garantem o direito a uma educação adequada e acesso a prédios públicos. Muitos países também têm recursos do governo para apoiar crianças com deficiência.
    • Se você é pai de uma criança com deficiência, é sua responsabilidade entender como a lei protege seu filho e quais direitos legais ele tem. Conhecer a lei permite que você defenda melhor seu filho se, por exemplo, a escola da criança não estiver disposta a fornecer recursos educacionais adequados.
    • Existem organizações governamentais e sem fins lucrativos que podem ajudá-lo a aprender sobre os direitos legais da criança. Normalmente, esses recursos são fornecidos gratuitamente para qualquer pessoa que queira aprender mais sobre os direitos legais das crianças com deficiência.

    Dica: Os profissionais de saúde que trabalham com crianças podem recomendar recursos que você pode usar para se educar melhor sobre os direitos das crianças com deficiência.

  3. 3
    Identifique e remova ou reduza as barreiras que bloqueiam o acesso da criança. Uma barreira é qualquer coisa que impeça uma criança deficiente de acessar os serviços de que precisa e se desenvolver ao máximo. As barreiras podem ser físicas, financeiras ou sociais e variam dependendo das deficiências da criança.
    • Por exemplo, se uma criança com deficiência estiver em uma cadeira de rodas, ela provavelmente precisará de rampas para cadeiras de rodas e banheiros acessíveis para cadeiras de rodas. Eles também precisam ser capazes de se mover livremente pelos corredores e portas. Em uma situação escolar, isso pode significar que a criança deve ter permissão para sair da aula 5 minutos antes de seus colegas, para que ela possa navegar pelos corredores para a próxima aula sem impedimentos.
    • Algumas crianças têm deficiências "invisíveis" que podem não ser aparentes quando você olha para elas. Por exemplo, uma criança autista não necessariamente "parecerá" autista. É possível que ninguém soubesse que a criança era autista, a menos que soubesse. Crianças com deficiências invisíveis podem enfrentar mais pressão social do que crianças com deficiências fisicamente evidentes.
    Protestos por maiores direitos para crianças
    Você pode participar de manifestações e protestos por maiores direitos para crianças e adultos com deficiência, mesmo se você não for deficiente.
  4. 4
    Envolva outros alunos em atividades de apoio. Freqüentemente, crianças com deficiência são integradas em salas de aula com crianças sem deficiência. Se as crianças sem deficiência compreenderem mais sobre a deficiência e as necessidades da criança com deficiência, é menos provável que zombem da criança. Deixe as crianças sem deficiência saberem o que podem fazer para ajudar.
    • Ter crianças trabalhando juntas como equipes pode ajudar a criar laços entre uma criança com deficiência e seus pares sem deficiência.
    • Algumas crianças com deficiência podem precisar de ajuda para ir de um lugar para outro. Ter alunos sem deficiência para ajudá-los também os protege de intimidação ou assédio. Os valentões tendem a implicar com uma criança que está sozinha, em vez de uma criança cercada por um grupo de amigos.
  5. 5
    Converse com a criança sobre o bullying. É importante que você diga à criança que nem todo mundo quer ajudá-la ou quer o melhor para ela. Ensine-os a identificar quando alguém os está intimidando ou zombando e o que fazer quando isso acontecer.
    • Algumas crianças com deficiência podem não ter as ferramentas para reconhecer quando alguém as está intimidando. Por exemplo, crianças autistas podem não ser capazes de reconhecer o sarcasmo ou outras formas sutis de humor e podem pensar que alguém está sendo legal com elas quando essa pessoa está realmente zombando delas.

    Dica: a criança deve ter pelo menos um adulto de confiança a quem possa recorrer se estiver sofrendo bullying. Se a criança não tiver ninguém que se encaixe nessa descrição na escola, ajude-a a se conectar com alguém a quem possa contar.

  6. 6
    Permita que a criança tome suas próprias decisões na medida do possível. As crianças com deficiência podem não compreender ou não ter capacidade para tomar algumas das decisões que os seus pares sem deficiência tomam. No entanto, eles devem ser capazes de fazer suas próprias escolhas quando puderem. Faça o que puder para explicar a situação para que eles estejam mais bem equipados para tomar a decisão certa.
    • Se a criança disser "não", honre sua decisão, a menos que isso cause danos à criança ou a outras pessoas.
    • Algumas crianças com deficiência podem ser mais capazes de tomar decisões se você lhes der um número limitado de escolhas. Perguntas abertas podem ser opressoras. Por exemplo, em vez de perguntar à criança que filme ela quer assistir, você pode escolher 3 filmes que você sabe que a criança gosta e pedir que ela escolha um desses 3.

Método 2 de 3: incentivando a conscientização sobre as deficiências

  1. 1
    Use o idioma preferido pela comunidade de deficientes. Se você não tem deficiência, mostre respeito pelas pessoas com deficiência usando a linguagem que elas usam. Muitos termos que eram considerados aceitáveis no passado agora são considerados insultos. Usar esses termos com uma pessoa com deficiência pode ser profundamente ofensivo. Em caso de dúvida, simplesmente pergunte a uma pessoa com deficiência que termos ela prefere.
    • Tome cuidado especial com a linguagem que prioriza as pessoas. Quando você usa a linguagem que prioriza as pessoas, você diz "pessoa com deficiência" em vez de "pessoa com deficiência". No entanto, diferentes comunidades de deficientes têm diferentes posições sobre isso, e também varia entre os indivíduos com deficiência. Por exemplo, muitos membros da comunidade autista preferem a primeira linguagem de identidade ("pessoa autista" em oposição a "pessoa com autismo").
    • Tenha cuidado com palavras que alguns membros da comunidade de deficientes reclamaram e estão tentando usar de forma positiva, embora sejam amplamente consideradas insultos. Como um aliado sem deficiência, você deve evitar usar essas palavras, mesmo se estiver falando com uma pessoa com deficiência que você conhece. Eles podem se chamar assim, mas como um aliado sem deficiência, você não pode.
    • O National Center on Disability and Journalism tem um guia de estilo de linguagem para deficientes que pode ajudá-lo. Vá para https://ncdj.org/style-guide/ e role pelas entradas em ordem alfabética.
  2. 2
    Fale quando você vir ou ouvir comentários de alguém. O ableismo desvaloriza e discrimina as pessoas com deficiência, normalmente sugerindo que há algo errado com elas ou que precisam ser "consertadas". Como o humanismo está tão arraigado na sociedade, existem muitas palavras e frases que as pessoas dizem o tempo todo, mesmo sem perceber que estão sendo capazes.
    • Por exemplo, alguém pode dizer a você sobre a criança deficiente: "O que há de errado com ela?" Você pode responder a essa pergunta dizendo: "Não há nada de errado com ela. Ela simplesmente tem um cérebro conectado de maneira diferente do seu e, como resultado, processa as informações de maneira diferente."
    • Se a criança tem uma deficiência física, você pode encontrar pessoas que perguntam se a criança fez uma cirurgia ou se alguma intervenção médica "funcionou". Explique a eles que a criança não precisa ser consertada e que as intervenções médicas permitem que a criança seja mais feliz e confortável.

    Dica: Se você é uma pessoa com deficiência, não é sua responsabilidade educar outras pessoas. Se você está se sentindo sobrecarregado ou não está com vontade de falar com alguém, você não precisa. Simplesmente diga a eles que seu histórico médico não é da conta deles.

    Esses recursos são fornecidos gratuitamente para quem deseja aprender mais sobre os direitos legais
    Normalmente, esses recursos são fornecidos gratuitamente para quem deseja aprender mais sobre os direitos legais das crianças com deficiência.
  3. 3
    Promova organizações sem fins lucrativos que ajudam crianças com deficiência. Pesquise online por organizações sem fins lucrativos em sua área que precisam de apoio. Pesquise o histórico da organização minuciosamente para garantir que seja uma boa causa. Doe para organizações de que você gosta e incentive amigos e familiares a também contribuir.
    • Algumas organizações têm um alcance mais global, enquanto outras são nacionais ou locais. Organizações locais normalmente também têm oportunidades de voluntariado nas quais você pode participar para apoiar ainda mais a organização.
    • Nos EUA, você pode avaliar instituições de caridade e organizações sem fins lucrativos no site Charity Navigator. Charity Navigator tem um sistema de classificação objetivo que permite saber rapidamente se a organização é confiável e respeitável. Vá para https://charitynavigator.org/ para começar.
  4. 4
    Compartilhe informações sobre deficiências nas redes sociais. Muitos ativistas dos direitos das pessoas com deficiência são ativos na Internet e nas redes sociais. Compartilhar essas informações com seus amigos sem deficiência pode ajudar a espalhar a conscientização sobre as deficiências. Isso pode ser especialmente valioso para pessoas com deficiências "invisíveis", pois lembra os amigos sem deficiência da deficiência que eles não necessariamente podem ver.
    • O site Rooted in Rights tem um extenso blog com postagens escritas por ativistas com deficiência. O site também possui vídeos e outros documentos que você pode compartilhar. Você também pode encontrar bons recursos no site do Projeto de Visibilidade da Deficiência.
    • Coloque as vozes deficientes em primeiro lugar, especialmente se você for um aliado sem deficiência.

Método 3 de 3: promoção de mudanças sociais e políticas

  1. 1
    Mantenha-se informado sobre as questões legais enfrentadas pela comunidade de deficientes. Se você deseja proteger os direitos das crianças com deficiência, precisa se manter informado sobre as mudanças no cenário social e político. Existem muitos sites e organizações sem fins lucrativos que têm informações sobre os direitos das pessoas com deficiência e outras questões legais que afetam crianças e adultos com deficiência.
  2. 2
    Organize um evento de conscientização sobre deficiência em sua comunidade. Os eventos de conscientização sobre a deficiência podem mudar as perspectivas das pessoas sem deficiência, expondo-lhes os desafios que as pessoas com deficiência enfrentam diariamente. Os eventos de conscientização podem ser tão simples como uma mesa redonda com pessoas com deficiência ou uma feira com estandes que oferecem recursos e informações sobre deficiência.
    • Seja qual for o seu formato, priorize as vozes com deficiência em relação às vozes sem deficiência. Evite qualquer orador que se considere "orador inspirador". Essas pessoas têm sido criticadas pela comunidade de deficientes porque encorajam pessoas sem deficiência a objetificar pessoas com deficiência.
    • Assim que tiver decidido sobre o seu evento, promova-o através das redes sociais e outros recursos. Por exemplo, se você está realizando seu evento na biblioteca local, você pode colocar placas ao redor da biblioteca anunciando o evento.

    Dica: se você precisar de financiamento para um evento, converse com organizações locais sem fins lucrativos que atendem crianças e adultos com deficiência. Eles podem estar dispostos a trabalhar com você para organizar o evento ou ajudar a arrecadar dinheiro.

  3. 3
    Participe de comícios ou protestos como um aliado sem deficiência. Você pode participar de manifestações e protestos por maiores direitos para crianças e adultos com deficiência, mesmo se você não for deficiente. Conecte-se com grupos de ativistas sem fins lucrativos, como ADAPT, para saber mais sobre quando os comícios ou protestos estão ocorrendo perto de você.
    • Além de participar, esses grupos podem precisar de serviços de suporte que você pode fornecer como um aliado não-deficiente. Por exemplo, alguns participantes podem precisar de uma carona até o local do rali.
    Organizações sem fins lucrativos que têm informações sobre os direitos das pessoas com deficiência
    Existem muitos sites e organizações sem fins lucrativos que têm informações sobre os direitos das pessoas com deficiência e outras questões legais que afetam crianças e adultos com deficiência.
  4. 4
    Ligue ou visite representantes do governo. Descubra quem são os representantes do governo em sua área e tenha a missão de lembrá-los das questões legais que afetam os direitos das pessoas com deficiência. Se você estabelecer um relacionamento colegial com eles, reunindo-se individualmente para discutir os direitos das pessoas com deficiência, é mais provável que eles o escutem.
    • Quando se trata de influenciar a ação do governo, assinar uma petição para defender uma questão ou indicar seu apoio a uma peça de legislação é a saída mais fácil. Você não tem como saber se o representante apropriado irá ao menos ler a petição, muito menos levá-la a sério.
    • Mantenha sua apresentação breve. Geralmente, você não quer falar por mais de 5 minutos. Se o assunto que você precisa discutir for mais complexo do que isso, aborde os pontos mais importantes e deixe o representante com informações adicionais por escrito.

Pontas

  • Ouça as pessoas com deficiência e considere suas perspectivas e opiniões. Há uma frase comum nas comunidades de deficientes: "Nada sobre nós sem nós." Evite tomar decisões sobre uma pessoa com deficiência sem primeiro buscar sua opinião, se ela puder fornecê-la.

Avisos

  • Sempre pesquise o histórico de qualquer organização antes de doar tempo ou dinheiro. Algumas organizações que afirmam ajudar pessoas com deficiência podem, na verdade, fazer mais mal do que bem.
Isenção de responsabilidade médica O conteúdo deste artigo não pretende ser um substituto para aconselhamento, exame, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Deve sempre contactar o seu médico ou outro profissional de saúde qualificado antes de iniciar, alterar ou interromper qualquer tipo de tratamento de saúde.
FacebookTwitterInstagramPinterestLinkedInGoogle+YoutubeRedditDribbbleBehanceGithubCodePenWhatsappEmail